Cinco maiores investidores na Lei Rouanet de 2013


Dando continuidade à série de análises sobre o desempenho da Lei Rouanet em 2013, este post irá analisar os cinco maiores grupos investidores no mecanismo neste último ano, suas interações e também as diferenças em relação ao período anterior. É importante salientar, como de costume, que as informações aqui reunidas são obtidas a partir da base de dados oficial do Ministério da Cultura e reclassificadas em grupos empresariais a partir de um trabalho de consolidação realizado pela Nexo.

Primeiramente, no exercício de 2013, a somatória do investimento total dos 5 maiores incentivadores via Lei Rouanet diminuiu 13% em relação ao valor de 2012, uma diferença de R$43,4 milhões. Se considerarmos que praticamente não houve variação no valor total de investimentos realizados via lei Rouanet, a diminuição de 13% parece apontar para uma distribuição menos desigual entre os investidores.

Por outro lado, deve ser ressaltado o despontamento dos grupos Itaú e Bradesco em relação ao restante. Os dois líderes responderam por cerca de 1/6 do total aportado por meio da Lei Rouanet. Quando somamos os valores dos três grupos seguintes da lista, essa parcela cresce para 1/4 do total aportado. Veja os valores individuais de investimento dos cinco grupos e a comparação com o desempenho no ano anterior na tabela abaixo:

 

 

Os dois grupos líderes em ambos os períodos, Itaú e Bradesco, foram os únicos da lista dos 5 maiores a elevarem seus investimentos. O Itaú incrementou em mais de R$11,2 milhões, tornando-se assim, entre os cinco listados, aquele que mais aumentou. Já o Bradesco, logo atrás, aparece com R$11 milhões a mais investidos. Um crescimento aproximado de 12% nos dois casos.

O Banco do Brasil, por sua vez, manteve praticamente estável a sua participação. O BNDES, apesar da redução de 20% do capital investido na Lei Rouanet em relação ao ano anterior (queda de R$8,1 milhões), subiu na relação como uma conseqüência direta da redução dos investimentos da Petrobras (-74%) e da Vale (-35%). O gráfico a seguir ilustra de forma mais precisa essas variações.

 

 

Para mais informações a respeito da influência de Vale e Petrobras no cenário da Lei Federal de Incentivo à Cultura, clique aqui.

Em resumo, como destaque para o ano de 2013 temos a evolução do investimento de Itaú e Bradesco que se destacam como os maiores investidores da Lei Rouanet e a saída da Petrobras do G5. Um outro post trará, em breve, uma análise detalhada sobre o desempenho das empresas estatais dentro do exercício de 2013. Acompanhem nossa fanpage e ajudem a divulgar o blog da Nexo.

 

(Postado em 2 de setembro de 2014)